Recolham os meus restos: Rihanna, Kanye West & Paul McCartney – FourFiveSeconds

Cover Rihanna Kanye West Paul McCartney FourFiveSecondsOkay, vamos lá: Rihanna lançou assim, como quem não quer nada, uma música que,segundo a gravadora dela no Brasil, é o primeiro single do #R8, o novo álbum sem nome da barbadiana, mas essa confirmação ainda não veio da própria Rihanna. Ela disse apenas no Twitter que era um vislumbre, uma “palhinha” do novo trabalho dela. Sendo single ou não, o que podemos dizer é que a moça não tá pra brincadeira.

Em primeiro lugar, o naipe dos envolvidos – Kanye West cantando e Paul McCartney só no violão – e em segundo lugar, essa música absolutamente surpreendente e agradável que é “FourFiveSeconds”. Eu, que após ter contato com o “Rated R” na época do lançamento, sempre achei que a RiRi deveria investir mais num lado rock, fiquei muito contente com essa pegada acústica, folk, meio country, que mostra nessa música. Uma letra simples, com um refrão absolutamente grower, e curtinha, pra ouvir na praia, no fim de tarde, e ainda com o órgão na bridge que deixa os vocais da Rihanna em clara evidência – aliás, uma das coisas que sempre incomodaram nela era essa irregularidade no vocal, e ela está alcançando essa maturidade.

Outra coisa que adoro na Rihanna é essa versatilidade – que é o que podemos esperar no R8. Vai ter folk, vai ter aquela baladinha sofrida, vai ter aquela quebração urban, vai ter aquele club banger pop, vai ter midtempo R&B, vai ser aquele CD pop. Agora, se ela não fizer essa misturinha que dá certo desde o “Good Girl Gone Bad”, aí sim a minha surpresa será maior.

Como não tem nada realmente confirmado se a faixa é single mesmo do novo álbum, a única coisa que podemos fazer é especular: será que hita? Eu não sei. Acho que ganha um buzz imenso por ser Rihanna, dois anos de espera por um novo álbum, e pelos nomes envolvidos na canção. O refrão é fácil, e a música é excelente, mas a música é meio divisiva para as rádios… Acho que divulgação nos lugares certos pode ajudar, mas eu não acordei tão otimista como o Kanye na segunda estrofe da música e acho que se “FourFiveSeconds” render mesmo, será uma surpresa imensa. E uma ótima surpresa.

Aposta? Um top 10 meio suadinho.

E você, conseguiu ouvir a faixa? O que achou?

Design de um top 10 [12]: Com açúcar e afeto

Banner-Design-de-um-Top-10

Mais uma semana, mais um primeiro de “Uptown Funk”, mas como todos já sabem que a nova dupla dinâmica do pop, Mark & Bruno, vai passar mais umas belas semanas no topo (três, quatro? depende do Grammy), o Design de um Top 10 de hoje vai focar nos outros elementos deste top 10 que anda meio sem mudanças desde meados do ano passado… Já que os hits eternos “Shake It Off” e “All About That Bass” continuam no top 10.

Mas o Design de hoje tem três destaques bacanas – dois deles, graças a virais.

Top 10 Billboard Hot 100 (28/01/2014)

1. Uptown Funk – Mark Ronson feat. Bruno Mars

2. Thinking Out Loud – Ed Sheeran

3. Blank Space – Taylor Swift

4. Take Me to Church – Hozier

5. Shake It Off – Taylor Swift

6. Lips Are Movin – Meghan Trainer

7. I’m Not the Only One – Sam Smith

8. Sugar – Maroon 5

9. Jealous – Nick Jonas

10. All About That Bass – Meghan Trainor

 

Ed SheeranPrimeiro, o segundo lugar na Billboard, o hino dos casamentos, “Thinking Out Loud”, do Ed Sheeran, que pulou duas posições de forma ágil. O ruivinho emplacou mais uma, desta vez essa baladinha que é a melhor coisa do “X”. Com excelente desempenho nas rádios, grande performance nos charts (no Spotify está em segundo lugar, atrás de “Uptown Funk”) e em segundo no iTunes, a música é um hit pronto. O clipe acabou viralizando pela simplicidade e a beleza – e por mostrar o próprio Ed dançando no vídeo, ele que é meio tímido em seus videoclipes. Enquanto não consegue uma chance de beliscar o primeiro #1, a faixa está rondando, cercando, um pouco discretamente, já que o primeiro lugar é um fenômeno nas rádios. Mas, se Ed cantar essa música no Grammy, as chances de “Thinking Out Loud” de chegar em primeiro podem aumentar. (e seria muito merecido, pelo menos uma semaninha para os apaixonados!)

Se apaixone um pouquinho mais pela faixa vendo o belo clipe:

 

Outra faixa que subiu como um raio – quatro posições – foi “Shake It Off”, da queridinha Taylor Swift. Graças a um Taylor Swiftvídeo que se tornou viral, um policial dançando ao som da faixa, a música voltou ao top 5, se mantendo no top 10 mais uma semana. Para você ter uma ideia do poder dessa música, “Shake It Off” passou quatro semanas não consecutivas no topo do Hot 100, além de 17 semanas no top 10. E aparentemente, vai continuar um bom tempo por lá. Afinal de contas, apesar da faixa não ter mais a força de outros singles (“Blank Space” já está em decadência, enquanto o novo single, “Style”, já começa a subir nas rádios), a música ainda ocupa um honroso nono lugar no iTunes e, apesar de não ter o apoio do Spotify, “Shake It Off” ainda tem a força de outros serviços de Streaming e do próprio Youtube. Sem contar com a possibilidade de ser tocada no Grammy – e mesmo que não toque, o fato da música estar indicada já dá um belo buzz, o que pode manter a música no top 10 por mais algum tempo.

Continue dando views para T-Swift com o vídeo de “Shake It Off”:

 

Maroon 5Mas talvez o grande destaque da semana tenha sido “Sugar”, do Maroon 5. Marcando mais um top 10 na carreira do grupo californiano, a faixa – terceiro single do “V” – conseguiu um debut em oitavo lugar por conta do vídeo viral em que Adam Levine e seus amigos invadem casamentos. Armado ou não, o que interessa é que o vídeo virou mania, a faixa cresceu assustadoramente no iTunes e agora ocupa uma boa terceira posição. Após dois singles que também chegaram ao top 10 (“Maps”, o derivativo lead-single, ficou em sexto; e “Animals”, uma música melhor, mas com menos divulgação por parte do grupo, teve seu peak merecido na terceira posição), mas que não foram sucessos estrondosos como “One More Night” parece que o Maroon 5 conseguiu uma faixa com repercussão grande no álbum. No entanto, como o debut foi essencialmente por conta das visualizações e das vendas digitais, veremos como a faixa vai se portar nas próximas semanas, com o lançamento nas rádios. (minha suspeita? A faixa tem chances de hitar – é gostosinha, grower, tem um som mais retrô, foi uma das músicas que eu mais gostei no “V”, que é um álbum cheio de problemas.

(Aliás, parece que no clipe as noivas parecem mais empolgadas com o Adam que os noivos, hein?)

Confira esses simpáticos invasores de casamentos no vídeo abaixo:

 

 

O que você achou dos charts desta semana?

Grammy 2015 – Indicados a Melhor Álbum Pop

Banner Álbum Pop

O prêmio de Melhor Álbum Pop tem uma história curiosa dentro da tradição do Grammy. Sua primeira aparição foi no award de 1968, quando tinha o nome de Melhor Álbum Contemporâneo e os primeiros vencedores foram aqueles rapazes de Liverpool com um certo álbum chamado “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”. Depois desse ano, a categoria foi excluída e só voltou a partir de 1995, com o nome que conhecemos hoje.

Desde então, grandes trabalhos foram premiados com o gramofone, como a rainha Madonna com o “Ray Of Light”, Norah Jones pelo “Come Away With Me”, Amy Winehouse com o “Back To Black” e, entre os últimos vencedores de Álbum do Ano, estão Adele com o já clássico “21” (2012), Kelly Clarkson com o “Stronger” em 2013 (aliás, uma recordista – já que ela é a única artista a ter dois Grammy nesta categoria, o primeiro sendo o “Breakaway” em 2006) e Bruno Mars com o throwback-ish “Unorthodox Jukebox (2014).

Este ano, seis álbuns disputam a vitória nesta categoria. Seis grandes trabalhos, com impactos distintos no mainstream e entre a crítica, e com elementos cruciais que podem lhes dar o gramofone – ou não.

Primeiro confira os indicados:

Coldplay, “Ghost Stories”
Miley Cyrus, “Bangerz”
Ariana Grande, “My Everything”
Katy Perry, “PRISM”
Ed Sheeran, “X”
Sam Smith, “In the Lonely Hour”

Agora confira as análises!

Continuar lendo

Mark Ronson e o fôlego em Uptown Special

Cover CD Mark Ronson Uptown SpecialQuem acompanha música deve conhecer alguma coisa sobre Mark Ronson. O DJ e produtor britânico por trás do clássico “Back To Black”, da Amy Winehouse (além de trabalhos com Lily Allen, Christina Aguilera, Robbie Williams e Bruno Mars), é sempre sinônimo de mistura de várias influências em busca de um som moderno, mas com um pezinho no passado. E com o lançamento de “Uptown Special”, o foco são os anos 70.

O que ninguém – nem ele mesmo esperava, como relatado na reportagem de capa da Billboard desta semana– era que o seu novo álbum (o terceiro em sua discografia) seria tão ansiosamente esperado por causa do primeiro grande hit do ano, “Uptown Funk”, um sucesso massivo e que não dá mostras de diminuir a velocidade da dominação tão cedo. O lead-single do álbum acabou levando crítica e público a conferir o que Ronson tinha preparado para o álbum – como a participação especial do mito Stevie Wonder em duas faixas, além da contribuição do escritor vencedor do Pulitzer Michael Chabon nas músicas do CD.

Será que já podemos incluir “Uptown Special” nas listinhas futuras de melhores de 2015, ainda em Janeiro? Confira no track-by-track!

Continuar lendo

Indicados ao BRIT Awards 2015!

Brit Awards 2015Se o Grammy é a premiação mais relevante da indústria, principalmente a americana, podemos dizer que o equivalente britânico é o BRIT Awards. Este ano, a premiação acontece no dia 25 de fevereiro, e as categorias são divididas entre apenas artistas britânicos e acts internacionais. A lista de apresentações inclui Taylor Swift, Ed Sheeran, Sam Smith, Paloma Faith, George Ezra e Royal Blood.

Um dos prêmios do BRIT é dado antecipadamente – é a Escolha da Crítica (Critics’ Choice), que este ano ficou com James Bay. Já os outros, serão revelados no dia do show.

Confira agora a lista de indicados:

 

BRITISH MALE SOLO ARTIST
Damon Albarn
Ed Sheeran
George Ezra
Paolo Nutini
Sam Smith

BRITISH FEMALE SOLO ARTIST
Ella Henderson
FKA Twigs
Jessie Ware
Lily Allen
Paloma Faith

BRITISH GROUP
Alt-J
Clean Bandit
Coldplay
One Direction
Royal Blood

BRITISH BREAKTHROUGH ACT
Chvrches
FKA Twigs
George Ezra
Royal Blood
Sam Smith

CRITICS’ CHOICE
George The Poet
James Bay (vencedor)
Years & Years

BRITISH SINGLE
Calvin Harris – Summer
Clean Bandit FT Jess Glynne – Rather Be
Duke Dumont F Jax Jones – I Got U
Ed Sheeran – Thinking Out Loud
Ella Henderson – Ghost
George Ezra – Budapest
Mark Ronson FT Bruno Mars – Uptown Funk
Route 94 FT Jess Glynne – My Love
Sam Smith – Stay With Me
Sigma – Nobody To Love

MASTERCARD BRITISH ALBUM OF THE YEAR
Alt-J – This Is All Yours
Ed Sheeran – X
George Ezra – Wanted On Voyage
Royal Blood – Royal Blood
Sam Smith – In The Lonely Hour

BRITISH PRODUCER OF THE YEAR
Alison Goldfrapp & Will Gregory
Flood
Jake Gosling
Paul Epworth

BRITISH ARTIST VIDEO OF THE YEAR
Calvin Harris – Summer
Charli XCX – Boom Clap
Duke Dumont FT Jax Jones – I Got U
Ed Sheeran – Thinking Out Loud
Mark Ronson FT Bruno Mars – Uptown Funk
One Direction – You & I
Rita Ora – I Will Never Let You Down
Route 94 FT Jess Glynne – My Love
Sam Smith – Stay With Me
Sigma – Nobody To Love

INTERNATIONAL MALE SOLO ARTIST
Beck
Hozier
Jack White
John Legend
Pharrell Williams

INTERNATIONAL FEMALE SOLO ARTIST
Beyonce
Lana Del Rey
Sia
St Vincent
Taylor Swift

INTERNATIONAL GROUP
5 Seconds of Summer
Black Keys
First Aid Kit
Foo Fighters
The War On Drugs

 

E agora, pra sentir o clima do BRIT, confira algumas apresentações bacanas da premiação:

Eminem na sua fase treteira em 2001 com “I’m Back” e “The Real Slim Shady”

GIRL POWER! As Spice Girls performam “Stop” no BRIT de 1998

Lady Gaga sendo Lady Gaga em 2010, com “Dance in the Dark” e “Telephone”

Além do Coldplay com a épica “Viva la Vida” na edição de 2009

Kelly Clarkson voltou! Ouça Heartbeat Song

Cover Kelly Clarkson Heartbeat SongKelly Clarkson já está aí há um tempão e não sei se você percebeu, a primeira vencedora do American Idol vem desenvolvendo uma carreira muito sólida dentro do segmento pelo qual ficou conhecida – o pop/rock, subgênero de onde surgiram duas joias de sua discografia: o premiado “Breakaway” e o underrated “My December” (o meu preferido da Kellyzinha).

Tem muita gente que subestima o poder da Kelly, e sua habilidade em fazer álbuns coesos e trazer músicas ótimas a cada álbum. Mesmo que o CD não seja lá essas coisas (oi “All I Ever Wanted”), sempre tem alguns singles sensacionais que mostram tanto o trabalho vocal da KC, ou suas composições eficientes, ou a capacidade de se manter fiel ao estilo mesmo flertando com outras áreas – mais frequentemente o country, onde ela também se sai bem.

Mas agora, três anos após o lançamento do “Stronger”, um marido, uma filha linda e um álbum de natal extremamente bem-sucedido (o “Wrapped In Red”), Kellyzinha está de volta para a popsfera disposta a mostrar que não tem três prêmios Grammy e alguns recordes na manga por acaso. E acho que ela está no caminho certo com o lead-single “Heartbeat Song”.

É a Kelly no pop-rock do jeitinho que a gente gosta (sem aquele pop sem graça e derivativo de “Mr. Know It All”), com um refrão pegajoso numa faixa super grower (tô ouvindo pela quarta vez e já comecei a repetir o refrão), e essa quebradinha de ritmo no refrão é muito boa. “Heartbeat Song” não tem muita gritaria e oversinging, é equilibrada e dá pra cantar junto. A letra é extremamente eficiente, e fácil de lembrar.

A única coisa que não gostei muito foi da produção – tem muitos efeitinhos desnecessários na voz da Kelly (especialmente no refrão) e, não sei, acho que a música precisava de algum polimento, ou parecer mais acústica que sintética. Mesmo assim, a faixa tem cheiro de hit. Um top 10 na Billboard e vida longa nas rádios, especialmente na Adult Contemporary. De uma coisa é certa: “Heartbeat Song” me fez ter interesse no que a KC vai aprontar nesse novo álbum, bem mais que no “Stronger” e no “All I Ever Wanted”.

E você, o que achou?

Acho que não dá pra chamar a Meghan Trainor de “One Hit Wonder” com o “Title”, hein

Cover CD Meghan Trainor TitleEra uma vez uma jovem cantora e compositora chamada Meghan Trainor que estourou com o hit viral “All About That Bass”, que chegou a oito semanas na Billboard. Logo depois, a mesma Meghan coloca no top 10 da Billboard outro grude em forma de canção, “Lips Are Movin”, e o excelente desempenho da novata acaba fazendo com que a Epic adiantasse logo o lançamento do primeiro álbum da jovem, “Title” (nove de Janeiro). “Title”, aliás, mesmo nome do EP que mostrou quatro músicas que entraram no corte final do álbum: “All About That Bass”, “Dear Future Husband”, “Close Your Eyes” e “Title”.

A grande pergunta com o lançamento do debut de Meghan é: será que com esse CD, ela consegue tirar a pecha de one (maybe two) hit wonder e se fortalecer como uma artista relevante para brigar nessa selva que é o mundo pop? Bem, a julgar pelo trabalho que ela apresentou em “Title”, ela e a Epic já podem decidir quais serão os próximos singles, porque trata-se de um debut forte na sua simplicidade e identidade musical marcadíssima: uma mistura de doo-wop dos anos 50, pop sessentista e R&B do mesmo período, com um vocal característico e letras diretas, divertidas e que criam um cenário vintage que funciona bem com a persona da Meghan.

Confira mais depois do pulo!

Continuar lendo